Milagre dos Andes: sobreviventes retornam à montanha
Pular para o conteúdo

A história real do Milagre dos Andes: 72 dias de sobrevivência na neve

A história do ‘milagre dos Andes’ continua a inspirar o mundo e a memória dos que se foram jamais será esquecida.

Anúncios

milagre dos Andes
Fonte: Freepik

Em 1972, a Cordilheira dos Andes se tornou palco de um drama que desafiaria a compreensão humana. Um avião, transportando 45 pessoas, colidiu com a montanha. Dessa tragédia, houve sobreviventes e a história ficou conhecida como milagre dos Andes.

Assim, os 16 jovens uruguaios se recusaram a entregar-se à morte. Enfrentaram frio extremo, fome e avalanches, em uma batalha pela sobrevivência. Embarque nessa viagem com a gente e veja os sobreviventes voltando à montanha anos depois.

Anúncios

A viagem

O avião partiu de Montevidéu, capital do Uruguai, com escala em Mendoza, Argentina. O destino final do voo era Santiago, capital do Chile. Assim, o voo 571 da Força Aérea Uruguaia transportava 45 pessoas, entre jogadores de rúgbi, familiares e amigos.

Em 13 de outubro de 1972, devido a uma falha no piloto automático e a um erro de navegação, a aeronave colidiu com a Cordilheira dos Andes, a cerca de 50 km da fronteira entre o Chile e a Argentina.

Anúncios

Sendo assim, o avião caiu na Cordilheira. O choque brutal contra a neve e as rochas geladas da montanha fez instantaneamente 12 vítimas. Nos dias seguintes, mais 17 pessoas faleceram por conta do frio extremo, da fome e dos ferimentos.

Desse modo, sem comida, água potável ou roupas adequadas para o frio glacial, os 16 sobreviventes enfrentaram uma luta pela vida. E, pasmem, lutaram bravamente por 72 dias. A fé, a esperança e a força de vontade se tornaram escudos contra a desolação das vítimas.

A saga dos sobreviventes dos Andes

Para sobreviver, os jovens uruguaios tomaram medidas drásticas. Para driblar a fome, racionaram os poucos alimentos encontrados nos destroços. Após 10 dias, infelizmente, tiveram que recorrer à carne humana dos amigos que não resistiram.

Além disso, derreteram neve para beber água e usaram a fuselagem do avião como abrigo. Posto que estavam enfrentando um vento cortante e com temperaturas que chegavam a -30°C.

Nando Parrado e Roberto Canessa foram impulsionados pela convicção de que a única chance de resgate era buscar ajuda por conta própria. Sendo assim, partiram em uma expedição arriscada por uma rota pela Cordilheira.

Depois de 10 dias de caminhada, enfrentando avalanches e temperaturas congelantes, avistaram um chileno que finalmente os socorreu.

Milagre dos Andes: o resgate dos sobreviventes

No dia 22 de dezembro de 1972, uma equipe de resgate composta por chilenos e uruguaios se reuniu em Santiago. Logo, helicópteros e aviões se prepararam para a missão desafiadora de alcançar os sobreviventes em meio às montanhas nevadas.

Os primeiros a serem resgatados foram os 3 sobreviventes que se encontravam em um acampamento mais próximo. Na sequência, os helicópteros se dirigiram ao local onde os outros 13 sobreviventes aguardavam ansiosamente.

A notícia do resgate dos 16 sobreviventes do ‘Milagre dos Andes’ se espalhou pelo mundo como um raio de esperança em meio à tragédia. Certamente, a história de superação e resiliência dos jovens uruguaios emocionou e inspirou milhões de pessoas.

O retorno à montanha

Em 2002, no 30º aniversário do acidente, 10 dos 16 sobreviventes retornaram aos Andes. Desse modo, a expedição, liderada por Nando Parrado, teve como objetivo homenagear os amigos que não resistiram e, claro, reviver os momentos que marcaram suas vidas para sempre.

Sendo assim, emocionados, eles escalaram a montanha, visitaram a fuselagem do avião e depositaram flores em memória dos companheiros.

Além disso, voltar à montanha também representou a oportunidade de curar feridas e reavaliar a experiência. Assim, os sobreviventes puderam revisitar o local com outros olhos, com a maturidade e a gratidão por terem superado a tragédia.

Aliás, ao longo dos anos, outros sobreviventes também realizaram visitas individuais à montanha. E claro, a experiência de revisitar o local do acidente é pessoal e complexa, mas contribui para o processo de cura e para manter viva a memória daqueles que não sobreviveram.

‘A Sociedade da Neve’: uma cinebiografia do Milagre dos Andes

Lançado em 2022, ‘A Sociedade da Neve’ é um filme biográfico que narra a história do ‘Milagre dos Andes’ a partir da perspectiva dos próprios sobreviventes. Disponível na plataforma de streaming Netflix.

Dessa forma, o longa-metragem uruguaio, dirigido por Gonzalo Arijón e Andrés Wood, retrata com realismo e sensibilidade os desafios enfrentados pelos jovens durante a luta pela sobrevivência.

Vale ressaltar que o filme é baseado em diversos livros e relatos dos sobreviventes, buscando retratar a história com fidelidade. Logo, a produção contou com a colaboração de alguns dos jovens que viveram o drama, inclusive Nando Parrado.

É importante dizer que o filme não é um documentário, mas sim uma recriação ficcional dos eventos do milagre dos Andes. Sendo assim, a produção tomou algumas liberdades criativas, mas se manteve fiel ao espírito da história real.

    Avatar

    Bárbara Luísa

    Graduada em Letras, possui experiência na redação de artigos para sites, com foco em SEO. Meu foco é proporcionar uma experiência agradável ao leitor.